Ortech Medical

Substituto Ósseo Sintético e Injetável - JectOS

produto ject os 2

 

Dados:

Utilização
O produto promove a osteointegração quando em contato adjacente a uma superfície óssea.

Composição da Pasta
55% de Fosfato dicálcico
45% de Beta Fosfato tricálcico

Características
Biocompatível, bioabsorvível e biocondutivo
Ótima osteointegração
Quantidades das misturas previamente determinadas
Radiopaco
Transiente de temperatura menor que 45graus Celsius

Tempo de Presa
Entre 9 a 11 minutos a 23 graus Celsius

 

Principais Mudanças na Embalagem

- Tamanho e lay-out da embalagem secundária

- Frascos (líquido e pó) e acessórios (cubeta, espátula e cânula) armazenados em um único blister composto de dupla embalagem

- O frasco do líquido em formato de ampola

Descrição do Produto

O JectOS é um substituto ósseo sintético e injetável, utilizado para preenchimento ou reparação de tecido ósseo.

É um produto biocompatível e reabsorvível.

O produto apresenta 99% de fosfato de cálcio em sua constituição, material amplamente reconhecido pela sua eficácia no tocante a reconstrução óssea.

Sua forma de aplicação em estado pastoso permite uma maior mobilidade e flexibilidade, facilitando o ajuste do cimento em superfícies pouco regulares ou em reparos que exijam maior precisão.

Descrição do Fundamento

Existem muitos substitutos biocompatíveis utilizados para reparar defeitos ósseos de estruturas anatômicas e ortopédicas, porém somente os que apresentam em sua constituição fosfato de cálcio, podem efetivamente promover crescimento ósseo na superfície em que são implantados, graças a uma interação físico química entre o osso e o enxerto. Esta propriedade, conhecida como osteocondução, é facilmente observada em produtos que apresentam em sua composição o fosfato tricálcico ou hidróxiapatita.

Observou-se que este tipo de material apresentava em sua composição características semelhantes às do osso, o que determinava sua biocompatibilidade através da capacidade de induzir reações biológicas específicas, sendo denominadas substancias bioativas.

Sugawara et al (1990), realizou diversos estudos comparativos entre os fosfatos de cálcio e demais tipos de sais usados com a finalidade de substitutos ósseos e sugeriu que os mesmos apresentavam osteocondutividade e biocompatibilidade superior. Desta forma, as substâncias fosfocálcicas são utilizadas como substitutos ósseos seguros e eficazes e tem seu uso indicado para diversos tipos de cirurgias.

Entretanto, o inconveniente deste tipo de preenchimento está em moldar o material para que o mesmo possa se adequar a cavidades de formatos irregulares do osso,  onde estruturas de forma muito precisa necessitam de reparo. No caso de JectOS ®seu diferencial está na forma pastosa de apresentação , portanto, mais fácil de ser aplicado e moldado. Após um tempo de descanso, o produto endurece e passa a ter a forma de uma superfície compacta e homogênea.

Apresentações e Modo de Uso

Referência

Dose

Líquido

Acessórios

J 406 C 05

5 cc

5 ml

10 g

Seringa, cânula, cubeta e espátula.

J 406 C 10

10 cc

7,5 ml

15 g

Seringa, cânula, cubeta e espátula.


Cada  caixa contém :
01 frasco contendo a fase sólida
01 frasco contendo a fase líquida
Um jogo de acessórios com seringa, cânula, cubeta e espátula.


Modo de Uso

1) Coloque todo o conteúdo do líquido dentro da cubeta ou tigela para manipulação

2) Adicione todo o conteúdo de pó dentro da cubeta que já contém o líquido

ATENÇÃO

É IMPORTANTE ADICIONAR O PÓ AO LÍQUIDO E NÃO O CONTRÁRIO.


TODO O CONTEÚDO DOS FRASCOS DEVE SER UTILIZADO E COMPLETAMENTE MISTURADO.


PREPARE O CRONÔMETRO E VERIFIQUE A TEMPERATURA DA SALA


3) Misture vigorosamente os componentes utilizando a espátula até que os mesmos formem uma mistura líquida homogênea. (aproximadamente 30 segundos)

4) Acople a cânula na seringa e preencha a mesma com a mistura

5) O produto deve permanecer dentro da seringa por aproximadamente 4 minutos para que sua consistência comece a se tornar pastosa. Verificar a consistência gotejando o material durante o tempo de descanso.

6) Aplique o JectOS vagarosamente na região a ser tratada. O tempo de aplicação antes que a presa (endurecimento total) aconteça é de aproximadamente 4 minutos a uma temperatura de 25 graus. Assim, o tempo de trabalho total, compreendido entre o momento em que o líquido começa a adquirir consistência pastosa, a aplicação na área a ser reparada e o momento da presa é de aproximadamente 10 minutos.

7) Após a passagem deste tempo de presa, o produto não poderá ser utilizado.


ADVERTENCIAS
NÃO APLICAR O PRODUTO EM SUA FASE LÍQUIDA. AGUARDE QUE ELE SE TORNE PASTOSO.

O PRODUTO  NÃO PODE SER UTILIZADO EM APLICAÇÕES ONDE SEJA SUBMETIDO A ESFORÇOS MECÂNICOS SEM O USO DE OSTEOSÍNTESE ADICIONAL.

O TEMPO DE PRESA ESTÁ DIRETAMENTE RELACIONADO A TEMPERATURA DO AMBIENTE. DESTA FORMA, É NECESSÁRIO QUE O CIRURGIÃO ESTEJA DE POSSE DE INSTRUMENTOS PARA MEDIR TEMPERATURA E TEMPO.

A COMBINAÇÃO DO JECTOS COM OUTRAS SUBSTÂNCIAS MÉDICAS DURANTE A IMPLANTAÇÃO DO PRODUTO É DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DO MÉDICO CIRURGIÃO RESPONSÁVEL.

PRODUTO ESTÉRIL E DE USO ÚNICO.

Referências Bibiográficas

(1) Bhaskar S. N., Brady J. M., Grower M. F., Driskell T., Biodegradable ceramic implants in bone, Oral Surg., August 1971.

(2) Denissen I. W., De Groot K., Makkes P. C., Van Den Hooff A., Klopper P. J., Tissue response to dense apatite implants in rats, J. Biomed. Mat. Res. 14, 713-721, 1980

(3) Jarcho M. Calcium phosphate ceramics as hard tissue prosthetics, Clin. Orthop. 157, 259-278, 1981

(4) Dreesman, H, Uber Knochenplombierung Beitre. Klin. Chir.1892 ;  9 : 804-807

(5) Hanker J. S., Terry B. C., Ambrose W. W., Lupton C.R., Plaster of Paris as a biodegradable scaffold in implants for bone repairs, US Patent US 4,619,655,  1986

(6) Damien C.J., Parsons J. R., Benedict J. J., Weisman D.S., Investigation of a hydroxyapatite and calcium sulphate composite supplemented with an osteoinductive factor. J. Biomed. Mater. Res. 24, 639-654, 1990

(7) Monma H., Ueno S., Tsutsumi M., Effect of water soluble additives on the properties of hardened apatite, Gypsum & lime, 156, 6-11, 1978

(8) Monma H., Ueno S., Kanazawa T., Properties of hydroxyapatite prepared by the hydrolysis of tricalcium phosphate, J. Chem. Tech. Biotechnol. 31,15-24, 1981

(9) Monma H., Goto M., Kohmura T., Effects of additives on hydratation and hardening of tricalcium phosphate. Gypsum & lime 188, 11-16, 1984

(10) LeGeros R. Z.,  Chohayeb A., Schulman A., Apatitic calcium phosphates: possible dental restorative materials. J. Dent. Res. 61, 343, 1982

(11) Brown W. E., Chow L. C., A new calcium phosphate setting cement. J. Dent. Res. 62, 672, Abstract 207, 1983

(12) Brown W. E., Chow L.C., Dental restorative cement pastes, US Patent US 4,518,430, 1985

(13) Brown W. E., Chow L. C., Combinations of sparingly soluble calcium phosphates in slurries and pastes as mineralizers and cements. US Patent US 4,612,053 1986

(14) Sugawara A., Kusama K., Nishimura S., Nishiyama M., Ohashi M., Moro I., Chow L.C., Takagi S. Biocompatibility and osteoconductivity of calcium phosphate cement. J. Dent. Res. 69, 313, Abstract 1628, 1990

(15) Liu S. T., Chung H. H., Resorbable bioactive calcium phosphate cement. US Patent US 5,149,368   1992

(16) Mirtchi A. A., Lemaitre J., Terao N. Calcium phosphate cements: study of the -tricalcium phosphate – Monocalcium phosphate system. Biomaterials 10, 475-480, 1989

(17) Mirtchi A. A.,  Lemaitre J., Muntig E., Calcium phosphate cements: Action of setting regulators on the properties of ?-tricalcium phosphate – Monocalcium phosphate cements. Biomaterials 10, 635-638, 1989.

(18) Mirtchi A.A., Lemaitre J., Muntig E., Microstructure and strength development in calcium phosphate biocements. Adv. Mater. Proc. 2, 797-802, 1990

(19) Mirtchi A.A., Lemaitre J., Muntig E., Calcium phosphate cements: study of the -tricalcium phosphate-dicalcium phosphate-calcite cement. Biomaterials, 11, 83-88, 1990

(20) Mirtchi A.A., Lemaitre J., Muntig E., Calcium phosphate cements: effects of fluorides on the setting and hardening of ?-tricalcium phosphate-dicalcium phosphate-calcite cement. Biomaterials 12, 505-510, 1991

(21) Muntig E., Mirtchi A.A., Lemaitre J., Bone repair of defects filled with a phosphocalcic hydraulic cement: an in vivo study. J. Mater. Sci. Mater. Med. 4, 337-344, 1993

(22) Constantz B.R., Ison I.C., Fulmer  M.T., Poser R.D.,  Smith S.T., Van Wagoner M., Ross J., Goldstein S.A., Jupiter J.B., Rosenthal D. L.,  Skeletal repair by in situ formation of the mineral phase of bone. Science 267, 1796, 1995

(23) Cook S.D., Poser R.D., Hayes D. E. E., Constantz B. R., Augmentation of distal radius fractures by a resorbable carbonated apatite bone mineral substitute in a non human primate animal model. Tenth Annual Scientific Session Academy of surgical research, Orlando, FL, 347, 1994

(24) Yelkinler D. N., Ladd A. L., Poser R. D. Constantz B. R.,  Carter D., Biomechanical evaluation of intra articular distal radius fracture treatment stability: K-wire versus calcium phosphate bone cement. American Academy of orthopaedic Surgeons, San Franscisco, CA, paper # 403, 1997

(25) Casteleyn P. P., Larsson S., Deneweth S. Preliminary results of Norian SRS Skeletal Repair System for treatment of intertrochanteric fractures. European Federation of National Association of Orthopaedics and  Traumatology, Barcelona, Spain, 40, 1997.

(26) Kopylov P., Jonsson K., Thorngren K. G.,  Aspenberg P., Injectable Calcium phosphate in the treatment of distal radius Fractures. J. Hand Surg.  21B, 768-771, 1996

(27) Driessens F. C. M., Boltong M. G., Bermudez A., Planell J. A, Ginebra M. P., Fernandez E., Effective formulations for the preparation of calcium phosphate bone cement. J. Mater. Sci. Mater. Med. 5, 164-170, 1994

 

 

Rua Jorge Augusto, 83 - Salas 55/56/57/58

Penha - São Paulo - SP / Tel.: 2532-3710 / CEP: 03645-000

wp